Radiolusitano

@Radiolusitano@
 
InícioPortalCalendárioGaleriaFAQBuscarRegistrar-seMembrosGruposConectar-se

Compartilhe | 
 

 Poemas Inconjuntos

Ir em baixo 
AutorMensagem
mariana
Administradora
Administradora
avatar

Feminino
Número de Mensagens : 377
Idade : 46
<font color=#FF0000>Apresentação</font> :
Data de inscrição : 09/12/2007

MensagemAssunto: Poemas Inconjuntos   Qua 12 Dez 2007 - 18:37

Poemas Inconjuntos



Não basta abrir a janela

Para ver os campos e o rio.

Não é bastante não ser cego

Para ver as árvores e as flores.

É preciso também não ter filosofia nenhuma.

Com filosofia não há árvores: há idéias apenas.

Há só cada um de nós, como uma cave.

Há só uma janela fechada e todo o mundo lá fora;

E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse,

Que nunca é o que se vê quando se abre a janela.



Quando vier a Primavera,

Se eu já estiver morto,

As flores florirão da mesma maneira

E as árvores não serão menos verdes que na Primavera passada.

A realidade não precisa de mim.

Sinto uma alegria enorme

Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma

Se eu soubesse que amanhã morria

E a Primavera era depois de amanhã,

Morreria contente, porque ela era depois de amanhã.

Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?

Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo;

E gosto porque assim seria, mesmo se eu não gostasse.

Por isso, se morrer agora, morro contente,

Porque tudo é real e tudo está certo.

Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem.

Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.

Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências.

O que fôr, quando fôr, é que será o que é.

Fernando Pessoa
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Poemas Inconjuntos
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Radiolusitano :: Poesia Portuguesa-
Ir para: